Thursday, May 07, 2009

poetando



Uma histeria colectiva
Arrasta as multidões
Para um mesmo lugar,
Sem destino determinado.

Do Mundo,
A Identidade,
Evadiu-se.

O estereótipo,
Instalou-se,
E a monotonia,
Permanece.

A ilusão do Mesmo,
Quedou-se.
Abafou-se
A diversidade.- Isabel Rosete - Aveiro Portugal



como E s C r e Vejo-me

quando creio-me vazia escrevo
e percebo o quão repleta de imagens estou
as palavras carregam meus símbolos
inauguram outros
atam-me às estrelas
puxam-me ao fundo do oceano
retorno amanhecida ...

quando em mim não caibo também escrevo
e retorno ao vazio que ansiava
como as marés não cesso
sedo ao diálogo íntimo e universal
costurando figuras na borda do pensamento...
um mel jorra nesta fonte
uma cratera encontro
um vulcão reacende ...

ainda gemo, flamejo
ainda cresço no solo de mim mesma
ainda semeio chamas a ao meu redor ...

escrever é circular, é revolução...
é reencontro com águas, terras, sol
e ar
e mais um punhado de mar ...
* virgínia além mar - RS Brasil

2 comments:

Ester said...

Maravilhoso poema, amiga!

Encontro-me em tuas palavras impregnadas de vida, repletas de um perfume complexo que traz em si essências doces e exóticas!

Abs,

Efigênia Coutinho said...

"poetando" por Isabel Rosete

Grande momento desta poetisa, leio em seus versos, meus cumprimentos para ela.

como E s C r e Vejo-me POR VIRGÍNIA
quando creio-me vazia escrevo
e percebo o quão repleta de imagens estou
as palavras carregam meus símbolos
inauguram outros...

O PODER DAS PALAVRAS
TRANSCENDEM TUDO,
ELAS SE FAZEM EM SÍMBOLOS
ONDE PODEMOS IDENTIFICAR
A NOSSA IDENTIFICAÇÃO POÉTICA.
ADOREI, VOCÊ , SEMPRE VEM CARREGADA
DE SONS EM COMUNHÃO.

Vai ao novo espaço e veja os seus versos
ás mães,
beijos pela passagem deste dia para você,
Efigênia